domingo, 12 de setembro de 2010

O EVANGELHO E O SERVO INÚTIL!...



Jesus nos apresenta dois contextos nos quais a idéia de Servo Inútil aparece. O primeiro é o de Mateus:
Porque isto [...] é também como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos, e entregou-lhes os seus bens. E a um deu cinco dinheiros, e a outro dois, e a outro um; a cada um segundo a sua capacidade; e, depois disso, ausentou-se logo para longe. Ora, tendo ele partido, o que recebera cinco dinheiro negociou com eles, e ganhou outros cinco. Da mesma sorte, o que recebera dois, que veio a ganhar também outros dois. Mas o que recebera um, foi e cavou na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.
Muito tempo depois veio o senhor daqueles servos, e fez contas com eles!...
Então [...] aproximou-se o que recebera cinco dinheiros, e trouxe-lhe outros cinco dinheiros, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco; eis aqui outros cinco dinheiros que ganhei com eles.
E o seu senhor lhe disse: Muito bem, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.
Chegando também o que tinha recebido dois dinheiros, disse: Senhor, entregaste-me dois; eis que com eles ganhei outros dois.
Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.
Mas, chegando também o que recebera um talento, disse: Senhor, eu Te conhecia, e sei que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste; e, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu.
Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Servo mau e negligente; sabias [?] que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros.
Tirai-lhe, pois, o dinheiro; e dai-o ao que tem os dez. Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado.
Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.
A segunda afirmação de Jesus sobre o Servo Inútil está em Lucas: E qual de vós terá um servo a lavrar ou a apascentar gado, a quem, voltando ele do campo, diga: Chega-te, e assenta-te à mesa? E não lhe diga antes: Prepara-me a ceia, e cinge-te, e serve-me até que tenha comido e bebido, e depois comerás e beberás tu? Porventura dá graças ao tal servo, porque fez o que lhe foi mandado? É certo que não!
Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer.
No evangelho de Mateus a idéia positiva, a que faz um Servo Bom, é a confiança na Graça e a gratidão pelo privilégio de ser quem se é para Deus; sem medo de expressar e aumentar o dom da Graça em nossa vida; o que significa viver a plenitude de nossos dons, talentos, recursos e possibilidades; sendo que a ênfase recai sobre a alegria no servir como vida e do viver como serviço que dá sentido ao existir.
Já o Servo Inútil recebe um severo castigo...
E quem é esse Servo Inútil conforme Jesus declarou em Mateus? Ora, é aquele que crê em Deus com raiva de Deus; e que projeta em Deus sua própria raiva de ser e existir; e que apenas crê em Deus como um fato inegável, porém desgraçado; visto que tal Deus é por tal pessoa visto como cruel e inimigo da alegria e da aventura de ser e crer; e, por tal razão, essa pessoa transfere para Deus sua própria visão mesquinha da vida, buscando assim não perder o que seja de Deus; porém, sem entender que o que Deus quer não é o dom que Ele deu, mas sim que a pessoa cresça conforme a confiança que tenha no fato de que Deus é amor, e também quanto à realidade de que Ele nunca dá sem que peça depois, e também nunca pede mais do que a capacidade de cada um de desenvolver.
Aqui em Mateus o que faz um Servo Inútil é a Amargura que se faz transferir para Deus e para a vida!
Sim! Pois toda amargura é paralisante!...
Já no evangelho de Lucas o Servo Inútil é aquele que é pago para fazer as coisas, mas, ainda assim, quer que ao chegar de suas tarefas o patrão se levante para agradecer!
Sim! Trata-se daquele tipo de assalariado que nunca é voluntário para nada, mas que deseja que o Patrão seja grato por ele fazer apenas aquilo que é pago para fazer!
Assim, em tal caso o Servo Inútil é o Funcionário do Bem, mas que nunca é Voluntário do Bem!
O Servo Inútil [ou] esconde com raiva a chance de servir... [conforme Mateus]; ou, então, é aquele que acha que a vida tem uma divida para com ele; portanto, realizando ele apenas o que lhe for mandado como tarefa de um salário, mas sem jamais se oferecer para a vida como um voluntário; sem cheque list, porém checando a vida e se dispondo a servir sem pensar em recompensa. Desse modo o Servo Inútil é aquele que recebe o dom da Graça e o enterra sob a alegação de que servir a Deus é coisa dura e arriscada; ou, então, é aquele que serve a Deus e à vida na esperança de ser visto como herói de algo que nada mais é do que mera obrigação; ou seja: de algo cujo pagamento é a Graça de fazer.
Servo Inútil é todo aquele que diz:
“Não fiz nada, mas não atrapalhei... Afinal, Deus é duro!”
Ou então:
“Fiz tudo o que me mandaram. Recebi muito por isto. Mas onde está o reconhecimento?...”
Os amargurados fazem a primeira declaração com muito orgulho...
Os narcisistas, legalistas, justicistas e auto-referentes fazem a segunda declaração com cobrança ingrata...
Acerca de ambos os casos e espíritos [...] Jesus apenas diz...
Mateus:
Tirai-lhe, pois, o talento; e dai-o ao que tem os dez talentos. Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado.
Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.
Lucas:
Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer.
Agora veja...
Se você não oscila entre dias nos quais você esconde a Graça com raiva de Deus por mera amargura contra a vida...
Ou, então...
Veja se você não é daqueles que fazem a obrigação que é remunerada com Graça inefável, e, ainda assim, desenvolve expectativas que o Patrão da Vida não dispensará a você jamais...
Amargurados e Narcisistas não ganham nada de Deus!
O Servo Bom é aquele que se sabe tão inútil, que, por tal razão, vê em toda chance de servir algo que é apenas um Indizível Privilégio!
Nele, que assim disse que é,

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Separados para espalhar alegria


“Separai-me agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado” (At 13.2)

Em todos os tempos e épocas vemos Deus separando homens e mulheres para realizarem o chamado divino em suas vidas. São os chamados “santos” (do Gr. Hagios e do Hebr. Kodesh) que o Eterno separou para si, para anunciarem as Boas Notícias de reconciliação a todo aquele que desejar ouvir.

O santo de Deus não é o ‘separado do mundo’ para não se contaminar com suas mazelas, como os fariseus pensavam, mas é aquele que aceitou sobre si o seu chamado, a sua missão, e o cumpre. Sobre Paulo, por exemplo, recaía o chamado de pregar o evangelho, e ele chega a dizer: “ai de mim se não o fizer” (1Co 9.16). Ou seja, a vontade de Deus está aí sobre nós, e podemos reagir favorável ou desfavoravelmente a ela. Entretanto, é importante saber que nossos atos e decisões gerarão um juízo divino sobre eles.

Servir a Deus é entregar a nossa agenda a Ele para que nossas prioridades sejam re-ordenadas. Na verdade, só existem dois tipos de pessoas: as que dizem a Deus – “seja feita a Tua vontade”, e aquelas que darão vazão somente a seus desejos. As primeiras desejam que Deus reine em suas vidas, no lar, nos negócios. As últimas pretendem seguir os seus instintos. Cabe aqui uma advertência: lutar contra a vontade de Deus sobre nossa vida é o caminho da infelicidade e o início do naufrágio pessoal.

Rudes pescadores cuja única pretensão era jogar diariamente suas redes ao mar, e sustentar suas famílias com os peixes vendidos, foram chamados para um propósito que jamais poderiam sonhar.

O que dizer de Gideão, malhando o trigo para sustentar sua família, e Deus o escolhe para livrar toda a nação das mãos dos opressores midianitas. Ele retruca, dizendo-se incapaz, mas Deus insiste no Seu propósito. Lição: Às vezes estamos vivendo tão absortos, cuidando de ‘nossa’ sobrevivência, pensando em ‘nossa’ família, em ‘nossas’ dores e necessidades, e vem o Senhor e nos diz: “Eu não quero mais vê-lo tão preocupado com as suas coisas… deixe que delas Eu cuido. Eu tenho um ‘servicinho’ pra você”.

Entretanto, há um preço em servir a Deus. Quem é confrontado pelo Evangelho é desafiado a apostar tudo nele. É isso o que acontece nas parábolas de Jesus: o homem que achou a boa pérola, foi e vendeu tudo o que possuía para ficar com ela. O que achou o tesouro no campo também.

O escritor Leo Buscaglia conta a história do garoto Jamie que estava disputando um papel na peça da escola. Sua mãe tinha procurado preparar seu coração, pois ela temia que ele não fosse escolhido. No dia em que os papéis foram anunciados, ela foi buscá-lo. Chegando ao portão, Jamie correu para a mãe, com os olhos brilhando de orgulho e emoção:

- “Adivinha o quê, mãe!”. E disparou as seguintes palavras:
- “Eu fui escolhido para bater palmas e espalhar alegria!”

Fico me perguntando se não é justamente esse chamado que Jesus tem para todos nós, mas temo que só uma pequena parcela de cristãos compreendeu isso. A maioria ainda está demasiadamente preocupada consigo mesma. Não entenderam ainda nada do que Jesus mostrou em todo o seu ministério: a importância da simplicidade, da misericórdia, da tranqüilidade dos pássaros, não entendeu nada sobre o perdão, sobre a graça que vem sobre maus e bons…..

O mundo não suporta mais religiosos cheios de “queixavor” (um pouco de queixa, um pouco de louvor), estéreis, briguentos, nuvens carregadas sem chuva. De nada vale ser chamado de “crente” ou “evangélico”, ou qualquer outro nome, se não temos espalhando nada de bom à nossa volta.

É engraçado que as pessoas acham que o seu chamado ou a sua missão estão longe, num lugar diferente de onde elas se encontram. Porém, na maioria das vezes o chamado a servir está justamente onde você está: em sua casa, no seu bairro, em seu trabalho, em sua igreja. O gadareno liberto de demônios queria seguir a Jesus e fazer missão transcultural. Bondosamente o Mestre o envia, mas de volta pra casa: “volta pra tua esposa, pra tua cidade, para os teus filhos… e anuncia-lhes o que Deus fez por ti”.

No Reino de Deus não há serviço menor ou maior, chamado menos importante ou mais importante. Antes de Davi ser ungido como rei em Israel, ele foi escolhido para guardar o rebanho de seu pai. Sim, escolhido para afugentar lobos, e atirar pedra em chacais. O genuíno amor está sempre preocupado com o específico, e não apenas com o geral, com alguém, uma pessoa, e não com várias coisas (E.Peterson). É fácil deixar de dar valor às coisas comuns e presentes à nossa frente, mas Deus tem essa maneira peculiar de nos apresentar Seu chamado. Tudo que Davi fez foi com um coração tão puro, que o Senhor o escolheu para ser rei de uma nação.

É preciso aprender que na vida nem sempre seremos contados entre os melhores, nem teremos beleza marcante, e provavelmente seremos reprovados nos melhores concursos. E é possível que durante toda a nossa vida não sejamos conhecidos por mais de uma centena de pessoas. Por isso sempre gosto sempre de pensar nos inúmeros anônimos servidores do Rei, que estão espalhando bondade, alegria, e uma forma diferente de viver, pessoas que vale a pena estar ao lado delas.

Creio que Deus sempre está chamando pessoas a viver de uma forma diferenciada no mundo, ainda que anônimas. Talvez a oração que Deus mais se agradaria em ouvir de nossos lábios, não seria o pedido de um aumento de salário, ou um carro melhor, mas: “Senhor, ensina-me a viver, ensina-me a ouvir Teu chamado. Não tenho nada de especial, mas aquilo que sou eu ofereço integralmente a Ti. Amém”.