sábado, 30 de janeiro de 2010

Seis Tipos de Salvação

1. SALVAÇÃO ETERNA:
DIANTE DE DEUS
Ef 2.8,9 – Jo 6.37
É a salvação do espírito: de uma vez para sempre
2. SALVAÇÃO DO MUNDO:
BATISMO NAS ÁGUAS
Mc 16.16
Rompimento público com a raça adâmica
3. SALVAÇÃO DAS AFLIÇÕES:
PROVAS DE CADA DIA
2 Co 1.10 – 2Tm 4.8,9
Livramento das tribulações e provas ardentes
4. SALVAÇÃO DIÁRIA:
CRISTO FORMADO EM NÓS
Fl 2.12,13 – Hb 7.25 – Gl 4.19
Transformados na imagem de Cristo
5. SALVAÇÃO DO CORPO:
ARREBATAMENTO OU RESSURREIÇÃO
Fl 3.21 – Rm 8.23,24 – 13.11
O corpo glorioso semelhante ao do Senhor Jesus
6. SALVAÇÃO DA ALMA:
LIBERTAÇÃO DO DOMÍNIO DO EGO
Mt 16.25 – Lc 17.33 – 1 Pd 1.9
Perdemos a alma aqui e a achamos no Milênio

Texto de Watman Nee

sábado, 9 de janeiro de 2010

Uma analise para Cristãos Bereanos da nossa Geração

Juntos somos melhores? Depende...
Por Ilton Gonçalves
Há por aí uma nova onda, um ajuntamento que me parece estranho, dizendo que “juntos somos melhores”. O romanismo chama isso de ecumenismo, e eu pergunto: Juntos em torno de quê? Juntos em torno de quem? Juntos para fazer o quê?
Quero deixar claro que não me misturo.
O Evangelho não se mistura, cristianismo e mundanismo são como água e óleo.
Juntos somos melhores? Juntos com esse “evangelho” bíblicamente mesquinho?
Foram juntos que o povo rejeitou a Noé, foram juntos que começaram a construir Babel, foram juntos que venderam José, construíram o bezerro de ouro e que gritaram soltem Barrabás...
Me lembro de um a mistura registrada em Números 11:4 “E o populacho que estava no meio deles veio a ter grande desejo das comidas dos egípcios; pelo que os filhos de Israel tornaram a chorar e também disseram: Quem nos dará carne a comer?”
Esse populacho está aí, pedindo para se juntarem a nós ou que nos juntemos a eles, com um evangelho anunciado por anjos, arcanjos, querubins, apóstolos(as), bispos(as), pastores(as), profetas/cantores. Eu? Não me misturo.
Quem não se lembra do amigo do Chaves? Sim, o Kiko? “Gentalha, gentalha, gentalha!”. O Evangelho é exclusivo, Cristo é ímpar, a Bíblia é a Palavra de Deus.
Juntos somos melhores? Está bem. Pode até ser... mas em torno de quê?
Juntos para um “louvorzão” onde o barulho é ensurdecedor e quando se identifica alguma coisa é: “Tira o pé do chãããoooo”, luzes de todas as cores e apóstolos para todo o lado gritando: “Eu profetizo, profetiza também....”, “hoje é o dia da restituição”... Juntos? Eu?
Juntos para um reteté, aliás a moda agora é o “pregador/profeta” sai no meio do povo colocando a mão em todas as pessoas e fazendo um som pra lá de estranho com a boca ( shiiiiiii, rrrrroooo, hiiiiiiii), juntos? Eu?
Junto com quem não acredita no Arrebatamento da Igreja, não crê que a Bíblia é a suficiente Palavra de Deus, e não tolera uma pregação genuinamente bíblica? Junto com aqueles que vivem a poder de descarrego, pisando o sal grosso e a Palavra também? Junto com essa gentalha que está sempre atrás de uma nova unção?
Não! Mil vezes NÃO.
Jesus amou, mas não se misturou nem abriu mão de sua missão; seus ensinos são inegociáveis. "Somos uma comunidade de poucos que não rezam pela cartilha do fanatismo moderno. Os iguais se atraem" (Pr Serafim Isidoro)

Termino aqui deixando algumas pérolas que tenho guardado em um caderninho antigo, já que alguns versículos bíblicos afastariam alguns leitores adeptos desse ecumenismo gospel:
“Nunca confie cegamente pois os vigaristas sobrevivem graças aos tolos”.
“O grito é a manifestação cabal de quem não tem argumento”.
“O barco foi feito para estar sobre a água, mas a água não deve entrar no barco”
“Muitos que freqüentam nossos templos não são seguidores de Cristo, mas fregueses; quando abrem uma nova porta vendendo a preços mais baixos, correm para lá”.
“Quanto mais a verdade se misturar com o erro, mais atraente e perigosa é para suas vítimas”.
“Quem não raciocina é um fanático; quem não pode raciocinar é um escravo; quem não se atreve a raciocinar é um tolo”.
Populacho, não contem comigo! O joio é semeado entre o trigo, mas é joio. Reconheço que existem muitos que se juntam para destruição da Palavra, mas também sei que ainda há "7 mil" dos que não se dobraram, nem se dobram a essa onda de "juntos somos melhores".
Fonte: Bereiano
JESUS” QUE JESUS NÃO CONHECE!

Todos os dias encontro pessoas que vivem como bem entendem, mas desejam assim mesmo as bênçãos do Evangelho.
O ardil é simples:
A pessoa não lê a Palavra [exceto em reuniões públicas e a fim de basear o discurso de algum pregador], não conhece Jesus [exceto como nome poderoso nas bocas dos faladores de Deus], não ora [exceto dando gritos de apoio às orações coletivas], não pratica a Palavra [exceto a palavra do profeta do grupo, ou do bispo ou autoridade religiosa da prosperidade ou da maldição], não se compromete com o Evangelho [exceto como dízimo e dinheiro no “Banco de Deus”: a “igreja”]; e, de Jesus, nada sabe; pois, de fato, nada Dele experimenta [exceto como medo].
Entretanto, a pessoa fica pensando que o Evangelho que ela nem sabe o que é haverá de abençoá-la em razão de que ela está sempre no “endereço de Deus”: o templo da “igreja”.
Assim, vivem como pagãos em nome “de um certo Jesus” que não é Jesus conforme o Evangelho; e, mesmo assim, seguem “um evangelho” que não é Evangelho, para, então, depois de um tempo, acharem que o Evangelho não tem poder, posto que acham que já o provaram e de nada adiantou; sem saberem que de fato deram suas vidas a uma miragem, a um estelionato, a uma fantasia de “Deus”.
Milhões pronunciam o nome de Jesus, mas poucos o conhecem numa relação pessoal!
Na realidade o que vejo são pessoas estudando teologia sem conhecerem a Deus; entregando-se ao ministério sem experiência do amor de Deus em si mesmas; brigando pela “igreja” [como grupo de afinidades] sem amarem o Corpo de Cristo em seu real significado; pregando “a mensagem da visão da igreja” julgando que tem algo a ver com a Palavra de Jesus [apenas porque o nome “Jesus” recheia os discursos].
E mais: os que aparentemente sabem o que é o Evangelho e quais são as suas implicações, ou não querem as implicações para as suas vidas pessoais, ou, em outras ocasiões, não querem a sua pratica em razão de que ela acabaria com o “poder” de bruxos que exercem sobre o povo.
Assim, vão se enganando enquanto enganam!
O final é trágico: vivem sem Deus e ensinam as pessoas a viverem na mesma aridez sem Deus na vida!
O amor à Bíblia como livro mágico acabou com o amor à Palavra como espírito e vida!
Não se lê mais a Palavra. As pessoas levam a Bíblia aos “cultos” apenas para figurar na coreografia e na cenografia da reunião — nada mais!
Oração em casa, sozinho, com a porta fechada, e como algo do amor e da intimidade com Deus, quase mais ninguém pratica!
Ora, enquanto as pessoas não voltarem a ler a Palavra, especialmente o Novo Testamento, jamais crescerão em entendimento e jamais provarão o beneficio do Evangelho como Boa Nova em suas vidas.
Há até os que depois de um tempo julgam que o Evangelho é fracassado em razão da “igreja” estar fracassada.
Para tais pessoas a “igreja” não é apenas a “representante de Deus”, mas, também, é o próprio Evangelho!

Que tragédia: um Deus que se faz representar pelo coletivo da doença do “Cristianismo” e que tem “igreja” a encarnação de um evangelho que é a própria negação do ensino de Jesus!

O que esperar como bem para tal povo?
Ora, se não tiverem o entendimento aberto, o que lhes aguarda é apenas frustração, tristeza e profundo cinismo.
Quem puder entender o que aqui digo, faço-o para o seu próprio bem.

Carta trabalhada por Caio Fabio